quarta-feira, 13 de outubro de 2010

o que não vai mudar.



'(...) E lembro tão bem que ainda que não tivesse sido ontem,
continuaria sendo ontem na memória.'

Caio F.




Desculpe a ausência, fedo. Eu queria escrever algo para você no dia 12, mas não sabia o quê. Não sabia direito nem o que pensar, então eu resolvi não pensar nem escrever nada. Decidi deixar o dia passar... e ele passou. O que eu pude fazer por você, foi te enviar mentalmente e espiritualmente muita paz e muita energia positiva. A Lidia e a Ari foram comigo te ver... e eu fiquei um tempo sozinha com você, me lembrando de tantos momentos bons que tivemos, me lembrando de como você era, me lembrando de como eu era... tanta coisa mudou, não é?

Aprendi a viver sem você, fedegoso. Embora ainda tenha dias difíceis, cheios de choro e aperto no coração, eu aprendi a viver sem você. E, às vezes, isso me deixa confusa e acabo sentindo uma raivinha de mim mesma, apesar de saber que não estou fazendo nada de errado. É que tem sido um pouco duro demais pra mim entender como eu consegui algo completamente impossível há um ano.

Mas como eu disse, muita coisa mudou. Eu mudei. A vida me mudou. Não sei te dizer se para melhor ou pior, mas isso pouco importa.

Eu não queria ter aprendido a viver sem você, nego véio. Eu odeio essa sensação que às vezes me vem de conformismo. Eu tenho medo de nunca mais me encontrar como eu me encontrei com você. E mais medo ainda de um dia eu achar que tudo isso é normal e que são coisas da vida.

Um ano se passou, cara de cu, um ano... e eu ainda tenho a impressão de que meu coração continua com você.

Sábado teve a missa em tua homenagem. Foi bonito, mas foi muito triste também. Chorei de novo do mesmo jeito que chorei há um ano. Desesperadamente. Nos braços da ka e sentindo ela chorar também. E percebi que a dor continua aqui, fedo, do mesmo jeito, não diminuiu. Mas percebi também que respirando fundo, consigo guardar só pra mim, entende? Porque é minha. A dor da saudade, a dor da partida, a dor de amor é minha. E sempre vai ser. A frustração de não poder viver a minha vida como eu gostaria é algo que vou levar comigo até o fim. É triste quando a nossa própria vida se transforma em um plano B.

2 comentários:

Lia Araújo disse...

Oh querida, eu chorei lendo.... não posso te dizer mais nada... só que não é conformismo... é preservação...
Ele foi um capitulo na sua vida... o mais bonito...

Eu lembrei dia 12 e diz uma oração por ele e uma pra vc... pra que o tempo suavise sua dor...

te deixo um abraço!

Ana SS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.